Os Novos Cenários Transnacionais e a Democracia Assimétrica

Autores

  • Gabriel Real Ferrer
  • Paulo Márcio Cruz

DOI:

https://doi.org/10.17921/2448-2129.2010v11n2p%25p

Resumo

O presente artigo aborda a Democracia e sua insuficiência para enfrentar os novos ambientes assimétricos das sociedades complexas de risco, considerando o caráter assimétrico de sua representatividade e, como é urgente, uma reavaliação dos seus atuais modelos, para que atendam de maneira adequada as presentes demandas por participação. As hipóteses deste artigo se estribam na premissa de que a autêntica participação só pode ser alcançada quando todos se sentem espiritualmente participantes. A renovação da teoria democrática deve estar assentada, antes de tudo, na formulação de critérios democráticos de participação que não a confinem ao ato de votar. A Democracia Participativa deve representar um estágio mais avançado do conceito de Democracia: é a Democracia como valor social e não apenas como procedimento. O objetivo geral é demonstrar que a Democracia Representativa Moderna não conseguiu alcançar outras formas de vida fora da política, nem outras ordens políticas que não aquelas restritas ao Estado Constitucional Moderno. Por detrás das teorias, que procuram orientar a adoção de “democracias” capazes de coexistirem com a diversidade, a complexidade, a solidariedade e a participação, existe embutido um otimismo irrefutável quanto à possibilidade da elaboração do que pode ser chamada de teoria democrática para o novo cenário criado pela globalização.

Downloads

Publicado

2015-07-03

Edição

Seção

Artigos