A Música como Ferramenta de Otimização do Ensino Jurídico

Autores

  • Pedro Faraco Neto Universidade Pitágoras Unopar, Curso de Direito. PR.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2448-2129.2019v20n1p12-21

Resumo

O trabalho se propõe a discorrer sobre duas problemáticas: firmar o Direito como um sistema comunicativo e apontar qual ferramenta seria adequada para, por meio da faceta comunicativa do Direito, otimizar o seu ensinamento. Neste diapasão sabe-se que o ser humano é um ser de transcendência, isto é, está sempre buscando evoluir. Para isso faz uso da comunicação. Se comunicando, se transmite conhecimento e se evolui. Nada mais inato às pessoas. O Direito, criação humana, também faz uso da comunicação, uma vez que as pessoas devem respeitar a sua ínsita coerção. No Direito temos o comunicador – a lei ou o juiz; temos o destinatário – o cidadão; temos o conteúdo da comunicação – a determinação legal ou judicial; e temos o efeito buscado – o respeito à lei ou a decisão. Ocorre que na música, com as suas caraterísticas lúdica e estética, também se tem os mesmos elementos, quais sejam: comunicador, destinatário, conteúdo e efeito. E assim sendo, a música pode ser a ferramenta ideal para a divulgação e ensino do Direito, uma vez que por seu intermédio haverá uma maior aderência cognitiva dos postulados jurídicos a serem pedagogicamente difundidos. E como a música tem múltiplas facetas, a mesma pode abranger toda a complexidade do Direito, atingindo a todos em um despertar crítico distante do trivial ensino que se limita a reproduzir as leis e os julgados. Nesta esteira, descobre-se a música como poderosa ferramenta de ensino jurídico.

 

Palavras-chave: Direito. Música. Comunicação. Otimização. Ensino.

 

Abstract

The paper proposes to discuss two problems: to establish the law as a communicative system and to point out which tool would be appropriate to optimize the teaching through the communicative facet of the law. In this tuning fork it is known that the human being is a being of transcendence, that is, is always seeking to evolve. For this it makes use of communication. Communicating, transmitting knowledge and evolving. Nothing more innate to people. Law, human creation, also makes use of communication, since people must respect its inherent coercion. In law we have the communicator - the law or the judge; we have the recipient - the citizen; we have the content of the communication - the legal or judicial determination; and we have the desired effect - respect for the law or decision. It happens that in music, with its playful and aesthetic characteristics, also has the same elements, namely: communicator, recipient, content and effect. Therefore, music can be the ideal tool for the dissemination and teaching of law, since through it there will be a greater cognitive adherence to legal postulates to be pedagogically disseminated. And because music has multiple facets, it can encompass the full complexity of law, reaching everyone in a critical awakening far from the trivial teaching that merely reproduces laws and judgments. In this wake, music is discovered as a powerful legal teaching tool.

 

Keywords: Law. Music. Communication. Optimization Teaching.

 

Biografia do Autor

Pedro Faraco Neto, Universidade Pitágoras Unopar, Curso de Direito. PR.

Doutor em Função Social do Direito pela Faculdade Autônoma de Direito de São Paulo (FADISP). Mestre em Ciências Jurídicas pelo Centro Universitário de Maringá (UniCesumar). Professor de graduação e pós-graduação em Direito. Advogado.

Referências

ALVES, G. Cinema como experiência crítica. Uma hermenêutica do filme. In: ALVES, G. Trabalho e cinema: o mundo do trabalho através do cinema. Bauru: Praxis, 2006.

BOFF, L. Ethos Mundial: um consenso mínimo entre os homens. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

BOFF, L. Tempo de transcendência: o ser humano como um projeto infinito. Petrópolis: Vozes, 2009.

BUARQUE, C. Apesar de você. 1970. Disponível em: https://www.letras.com/chico-buarque/7582/. Acesso em: 31 jul. 2019.

BUARQUE, C. Construção. 1971. Disponível em: https://www.letras.mus.br/chico-buarque/45124/. Acesso em: 31 jul. 2019.

BUARQUE, C. Homenagem ao Malandro. 1978. Disponível em: https://www.letras.mus.br/chico-buarque/45135/. Acesso em: 31 jul. 2019.

BUARQUE, C. Tanto mar. 1975. Disponível em: https://www.letras.com/chico-buarque/45178/. Acesso em: 31 jul. 2019.

CAOVILLA, M.A.L.; WOLKMER, A.C. A educação jurídica diante do novo constitucionalismo latino americano. In: ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI, 2014, Florianópolis. Anais .... Florianópolis: Fundação Boiteaux, 2014. p. 93-108.

CARVALHO, L.G.G.C. Direito de informação e liberdade de expressão. Rio de Janeiro: Renovar, 1999.

CAZUZA. I. 1988. Disponível em: https://www.letras.com/cazuza/43860/. Acesso em: 31 jul. 2019.

CIDADÃO. Intérprete: Zé Geraldo. Compositor: Lucio Barbosa. 1992. Disponível em: https://www.letras.mus.br/ze-geraldo/68686/. Acesso em: 31 jul. 2019.

DIAZ BORDENAVE, J.E. O que é comunicação. São Paulo: Brasiliense, 1982.

FARACO NETO, P.; RUIZ, I.A. Mensagem da música Adorável Gado Novo: contribuição do Direito para as pessoas humanas que levam uma vida de gado, em total desrespeito aos Direitos da Personalidade. In: ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI, 21, 2012, Uberlândia. Anais [...]. Uberlândia: Fundação Boiteux, 2012. p. 8228-8251.

FILHO adotivo. Intérprete: Sérgio Reis e Renato Teixeira. Compositor: Arthur Moreira e Sebastião Ferreira Da Silva. 1981. Disponível em: https://www.letras.com/sergio-reis/103204/. Acesso em: 31 jul. 2019.

FERRAZ JUNIOR, T.S. Estudos de filosofia do direito: reflexões sobre o poder, a liberdade, a justiça e o direito. São Paulo: Atlas, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

GRAU, E.R. Direito, conceitos e normas jurídicas. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1988.

GUERRA FILHO, W.S. Da Epistemologia Metafisico-Teológica Medieval à Teoria dos Sistemas Sociais Autopéticos, v.1, n.1, p.177-194, 2013.

GUERRA FILHO, W.S. Introdução à filosofia e à epistemologia jurídica. Porto Alegre: Livraria de Advogado, 1999.

HARTLEY, E.L.; HARTLEY, R.E. A importância e a natureza da comunicação. In: STEINBERG, C.S. Meios de comunicação de massa. São Paulo: Cultrix, 1972.

HESSEN, J. Filosofia dos valores. Coimbra: Armênio Amado, 1974.

JEANDOT, N. Explorando o universo da música. São Paulo: Scipione, 1997.

JUCÁ, F.P. Direito e política. In: PEREIRA, A. et al. Estudos jurídicos em homenagem ao professor Silas Gonçalves. São Paulo: Scortecci, 2006. v. 1.

JUCÁ, F.P. Estado e Direito. In: MESSA, A.F.; DALLARI JUNIOR, H.A. O Direito na atualidade: homenagem ao Dr. Pedro Ronzelli Júnior. São Paulo: Rideel, 2010. v. 1.

LADY Gaga. Papa-Paparazzi. 2008. Disponível em: https://www.letras.mus.br/lady-gaga/1294629/. Acesso: 31 jul. 2019.

LARENZ, K. Derecho Justo. Fundamentos da Ética Jurídica. Madrid: Civitas, 1985.

LONGO, A. O Direito de Ser Humano. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

LUCK, H. Pedagogia interdisciplinar. Fundamentos teórico-metodológicos. Petrópolis: Vozes, 1994.

MORAES, J.J. O que é música. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

NASCIMENTO, M. Caçador de Mim. 1981. Disponível em: https://www.vagalume.com.br/milton-nascimento/cacador-de-mim.html. Acesso em: 31 jul. 2019.

RAMALHO, Z. Admirável Gado Novo. 1979. Disponível em: https://www.letras.mus.br/ze-ramalho/49361/. Acesso em: 31 jul. 2019.

REALE, M. Introdução à filosofia. São Paulo: Saraiva, 1994.

RUGGIEIRO, R. Instituições de Direito Civil. São Paulo: Saraiva, 1934.

SCHUWRTS, G.; MACEDO, E. Pode o direito ser arte? Respostas a partir de direito e literatura. In: ENCONTRO NACIONAL DO CONPEDI, 21., 2012, Manaus. Anais [...]. Manaus, 2012. p.1013-1031.

SHECAIRA, S.S. Criminologia. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

TOMÁS, L. Ouvir o lógos: música e filosofia. São Paulo: UNESP, 2002.

Downloads

Publicado

2020-02-07

Edição

Seção

Artigos