A Função Social da Empresa no Código Civil Sob a Ótica da Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Autores

  • Ana Paula Lemos Baptista Marques Centro Universitário de Maringá, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Jurídicas. PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2448-2129.2018v19n1p70-75

Resumo

O presente artigo visa a abordar o papel de empresa no cenário contemporâneo e a presença marcante de sua função social, para o desenvolvimento da economia, das inovações tecnológicas e também para geração de empregos nos diversos postos de trabalho. Visto que, a sociedade individual limitada, além da viabilidade jurídica de sua inserção no ordenamento pátrio, também favorece os diversos setores da sociedade, que buscam regularização. Igualmente destaca que, embora a teoria da empresa tenha atravessado diferentes contextos, recentemente, o foco é a empresa em si, e não mais os atos empresariais. Nesta toada que, a empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI) ingressa aos modos de constituição de empresa no Brasil, sendo formalizada pela Lei n° 12.441/2011, que alterou o Código Civil e permitiu que uma única pessoa pudesse formar uma empresa. Espera-se verificar, no atual estágio, que este diferencial, que torna a responsabilidade limitada um aspecto positivo, pois a partir de agora favorece o empresário individual que, anteriormente, havia apenas a possibilidade de responsabilidade ilimitada, ou seja, mesmo que agisse como empresa, a pessoa natural seria atingida. O método utilizado é o indutivo, o qual, pela observação de questões particulares, permite que se extraiam conclusões gerais.

Palavras-chave: Empresa. Função Social. Responsabilidade Limitada.

Abstract


The present article aims to address the business role in the contemporary scenario and the marked presence of its social function, to the development of the economy, technological innovations and also to generate jobs in the work stations. Since the limited individual society, in addition to the legal feasibility of its inclusion in the country’s legal system, also favors the various sectors of society that seek regularization. It also points out that although company theory has gone through different contexts recently, the focus is on the company itself, and not on business acts anymore. In this context, the individual limited liability company (EIRELI) enters into the Brazilian company’s incorporation, being formalized by Law No. 12.441 / 2011, which amended the Civil Code and allowed a single person to set up a company. It is expected to verify at the current stage that this differential, which makes limited liability a positive aspect, since from now on it favors the individual entrepreneur that previously there was only the possibility of unlimited liability, that is, even if it acted as a company, the natural person would be affected . The used method is inductive, which, by observing particular questions, allows for general conclusions to be drawn.

Keywords: Company. Social function. Limited Liability.

Biografia do Autor

Ana Paula Lemos Baptista Marques, Centro Universitário de Maringá, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Jurídicas. PR, Brasil.

O presente artigo visa a abordar o papel de empresa no cenário contemporâneo e a presença marcante de sua função social, para o desenvolvimento da economia, das inovações tecnológicas e, também para geração de empregos nos diversos postos de trabalho. Visto que, a sociedade individual limitada, além da viabilidade jurídica de sua inserção no ordenamento pátrio, também favorece os diversos setores da sociedade, que buscam regularização. Igualmente destaca que, embora a teoria da empresa tenha atravessado diferentes contextos, recentemente, o foco é a empresa em si, e não mais os atos empresariais. Nesta toada que, a empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI) ingressa aos modos de constituição de empresa no Brasil, sendo formalizada pela Lei n° 12.441/2011, que alterou o Código Civil e permitiu que uma única pessoa pudesse formar uma empresa. Espera-se verificar no atual estágio, que este diferencial, que torna a responsabilidade limitada é um aspecto positivo, pois, a partir de agora favorece o empresário individual que, anteriormente, havia apenas a possibilidade de responsabilidade ilimitada, ou seja, mesmo que agisse como empresa, a pessoa natural seria atingida. O método utilizado é o indutivo, o qual, pela observação de questões particulares, permite que se extraiam conclusões gerais.

Referências

BERTOLDI, M.M.; RIBEIRO, M.C.P. Curso avançado de direito

comercial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BONAVIDES, P. Curso de Direito Constitucional. São Paulo:

Malheiros, 2008.

BRASIL. Lei N° 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil.

Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/2002/

L10406.htm>. Acesso em 20 fev. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Ceará. TJCE; APL 2042477.2007.8.06.0001/

; Quinta Câmara Cível; Rel. Des. Carlos

Alberto Mendes Forte; DJCE 17/09/2012. Disponível em:

tjce.jus.br>. Acesso em: 20 fev. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Distrito Federal. TJDF; Rec

00.2.007074-8; Ac. 615.422; Primeira Turma Cível; Rel.

Des. Teófilo Caetano; DJDFTE 14/09/2012. Disponível em:

. Acesso em 10 fev. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça de Minas Gerais. TJMG; APCV

0027.00.009865-0/0011; Betim; Décima Sétima Câmara Cível;

Rel. Des. Irmar Ferreira Campos; Julg. 08/10/2009; DJEMG

/10/2009. Disponível em: . Acesso em: 10

jan. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Paraná. TJPR; ApCiv 0947803-9;

Astorga; Décima Quinta Câmara Cível; Rel. Des. Jurandyr Souza

Junior; DJPR 08/10/2012; Pág. 181. Disponível em:

jus.br>. Acesso em 10 jan. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça de Pernambuco. TJPE; AG-AI

-07.2013.8.17.0000; Quinta Câmara Cível; Rel. Des.

Stênio José de Sousa Neiva Coêlho; Julg. 20/03/2013; DJEPE

/03/2013; Pág. 193. Disponível em: . Acesso

em 10 fev. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça de São Paulo. TJSP; AI 0253221-

2012.8.26.0000; Ac. 6669934; São Paulo; Vigésima Oitava

Câmara de Direito Privado; Rel. Des. Celso Pimentel; Julg.18/04/2013; DJESP 30/04/2013. Disponível em: . Acesso em 10 fev. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça de São Paulo. TJSP; APL 0300906-

2009.8.26.0000; Ac. 6874054; Guarulhos; Primeira Câmara

de Direito Privado; Relª Desª Christine Santini; Julg. 23/07/2013;

DJESP 05/08/2013. Disponível em: . Acesso

em 10 fev. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. TJRS; AC

-20.2008.8.21.7000; Santa Maria; Quinta Câmara Cível;

Rel. Des. Jorge Luiz Lopes do Canto; Julg. 15/04/2009; DJERS

/08/2012. Disponível em: . Acesso em 10

fev. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. TJRS; AI

-21.2012.8.21.7000; Canoas; Sexta Câmara Cível; Rel.

Des. Artur Arnildo Ludwig; Julg. 20/06/2013; DJERS 28/06/2013.

Disponível em: . Acesso em 03 fev. 2018.

BRASIL. Tribunal Regional Federal da 3ª Região. TRF 3ª R.;

AI 0004530-13.2009.4.03.0000; SP; Sexta Turma; Rel. Juiz Fed.

Conv. Herbert de Bruyn; Julg. 02/05/2013; DEJF 10/05/2013;

Pág. 676. Disponível em: . Acesso em 03 fev.

BRASIL. Tribunal Superior do Trabalho. TST; RR 13700-

2006.5.01.0071; Sétima Turma; Rel. Min. Ives Gandra da

Silva Martins Filho; DEJT 26/03/2013; Pág. 3009. Disponível

em: . Acesso em 03 fev. 2018.

COELHO, F.U. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva,

CREUZ, L.R.C. A empresa individual de responsabilidade

limitada: criticas à lei n° 12.441, de 11 de julho de 2011. Rev.

Síntese Direito Civil e Processual Civil, v.12, n.81, 2013.

FAZZIO JUNIOR, W. Manual de direito comercial. São Paulo:

Atlas, 2013.

FERREIRA FILHO, M.G. Curso de direito constitucional. São

Paulo: Saraiva, 2003.

GONÇALVES, M.G.V.P.R.; GONÇALVES, V.E.R. Direito

comercial: direito de empresa e sociedades empresárias. São

Paulo: Saraiva, 2005.

GONÇALVES NETO, A.A. A empresa individual de

responsabilidade limitada. Rev. Tribunais, v.101, n.915, 2012.

MAMEDE, G. Direito empresarial brasileiro. São Paulo: Atlas,

MELLO, C.A.B. Curso de direito administrativo. São Paulo:

Malheiros, 2010.

NEGRÃO, R. Manual de direito comercial e de empresa. São

Paulo: Saraiva, 2003.

NONES, N. A função social da empresa: sentido e alcance. Novos

Estudos Jurídicos, v.7, n.14, p. 113-136, 2002.

REQUIÃO, R.E. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva,

SCHERER, T. A inserção da empresa individual de

responsabilidade limitada no direito Brasileiro. Rev. Síntese

Direito Civil e Processual Civil, v.12, n.81, 2013.

Downloads

Publicado

2018-08-08

Edição

Seção

Artigos