Dimensionamento das Entradas Ambulatoriais em uma Maternidade em Função do Número de Leitos Disponíveis no Alojamento Conjunto

Autores

  • Djair Picchiai Fundação Getúlio Vargas. SP, Brasil.
  • Rafaela Alkmin da Costa Fundação Getúlio Vargas, Pós-Graduação em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde. SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2448-2129.2018v19n2p113-123

Resumo

Este estudo teve por objetivo dimensionar a entrada ambulatorial de pacientes na Divisão de Clínica Obstétrica (DCO) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em função do número de leitos disponíveis. Utilizou-se a metodologia de estudo de caso quantitativo com acesso ao banco de dados do serviço, referentes aos meses de julho de 2015 a abril de 2016. Utilizou-se a Equação de Erlang-B para calcular, a partir da taxa de ocupação, da média de permanência das pacientes, do número de leitos disponíveis, da taxa de recusa desejada e do histórico de entradas das gestantes, qual seria o redimensionamento necessário no ambulatório da DCO. Nos 10 meses de análise, a taxa de ocupação média foi de 84,2%, a média de permanência foi de 2,8 dias. Para 13 leitos disponíveis, a taxa de recusa de até 5% seria atingida com uma demanda calculada de 3,2 chegadas/dia no serviço. Conclui-se que para se atingir a taxa de recusa de até 5% na DCO seria necessária uma redução de 9 a 35% na entrada mensal ambulatorial, de acordo com o percentual de redução de entradas de pacientes “externas”, via pronto-socorro, para parto no serviço.

 

Palavras-chave: Dimensionamento. Leitos. Maternidade.

 

Abstract

This study was designed to measure the outpatient admission patients in the Division of Obstetric Clinic (DCO), Hospital das Clinicas, Faculty of Medicine, University of São Paulo in the number of beds available.  Quantitative case study methodology was used with access to service database, for the months of July 2015 to April 2016. Erlang-B equation  was used to calculate, from the occupancy rate, the average of the patients stay, the number of beds available, the desired rate of refusal and history admission  of pregnant women, which would be necessary to resize the outpatient clinic of  DCO. In the 10 months of analysis, the average occupancy rate was 84.2%, the average stay was 2.8 days. For 13 beds available, refusal rate of up to 5% would be reached with an estimated demand of 3.2 arrivals / day service. It follows that to achieve up to 5% rejection rate in the DCO a reduction of 9 to 35% would be required on an outpatient monthly input according to the percentage of admission  reduction of patients 'external', ER pathway, for parturition in the service.

 

Keywords: Design. Hospital Beds. Maternity.

Referências

ARMONY, M. et al. On patient flow in hospitals: A data-based queueing-science perspective. Stochastic Systems, v. 5, n. 1, p. 146-94, 2015.

BELCIUG, S.; GORUNESCU, F. Improving hospital bed occupancy and resource utilization through queuing modeling and evolutionary computation. Journal of Biomedical Informatics, v. 53, p. 261-9, 2015. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25433363 >. Acesso em: 1 jun. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, 2012.

BRUIN, A. M. et al. Dimensioning hospital wards using the Erlang loss model. Annals of Operation Research, v. 178, n. 1, p. 23-43, 2009.

CANCIAN, N. Em cinco anos 17 maternidades fecham as portas no Estado. Folha de São Paulo, São Paulo, 31 ago. 2014.

DIVISÃO DE ARQUIVO MÉDICO. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2016.

ESSEN, J.T.V.; HOUDENHOVE, M. V. Clustering clinical departments for wards to achieve a prespecified blocking probability. OR Spectrum, v. 37, p. 243-71, 2015.

JONES, R. New approaches to bed utilisation – making queuing theory practical. In: NEW TECHNIQUES FOR HEALTH & SOCIAL CARE, 2001. Londres, 2001.

JONES, R. Bed management - tools to aid the correct allocation of beds. In: RE-

THINKING BED MANAGEMENT - OPPORTUNITIES & CHALLENGES, 2003. Londres, 2003.

JONES, R. Hospital bed occupancy demystified and why hospitals of different size and complexity must run at different average occupancy levels. British Journal of Healthcare Management, v. 17, n. 6, p. 242-8, 2011.

JONES, R. Maternity bed occupancy: all part of the equation. Midwives Magazine, n. 1, 2012a.

JONES, R. A simple guide to a complex problem: maternity bed occupancy. British J. Midwifery, v.20, n.5, p. 351-357, 2012b.

KEMBE, M.M.; AGADA, P.O.; OWUNA, D.A queuing model for hospital bed occupancy management: a case study. Int. J. Comp. Theor. Statistics, v.1, n.1, p.13-28, 2014.

SISTEMA INFORMATIZADO DE INTERNAÇÕES DA DIVISÃO DE CLÏNICA OBSTÉTRICA. Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2016.

WILTENBURG, L. E. Planos de saúde perdem mais de 760 mil beneficiários em 2015. Folha de Londrina, Londrina, 12 mar. 2016.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Edição

Seção

Artigos