Elites e Poder no Campo Científico: a Questão das Cotas para Negros na Pós-Graduação Stricto Sensu no Brasil

Autores

  • Ana Carolina Esposito Vieito Universidade Presbiteriana Mackenzie. SP, Brasil.
  • Danielle Duarte Munhoz Universidade Presbiteriana Mackenzie, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Político e Econômico SP, Brasil.
  • Gianfranco Faggin Mastro Andréa Universidade Presbiteriana Mackenzie, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Político e Econômico SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2448-2129.2018v19n1p35-41

Resumo

Resumo


Com um enfoque histórico e analítico, o presente artigo tem por objetivo trazer reflexões acerca da construção e manutenção das elites e sua estrutura de poder, valendo-se de pesquisa bibliográfica e estatística, principalmente, no que diz respeito à elite branca no campo da ciência diante da diminuta presença de negros no ambiente acadêmico e a aparente relação desse aspecto com os princípios de legitimação e reprodução da elite branca no poder, além de apontar a necessidade de efetiva institucionalização das cotas para negros nos cursos de pós-graduação stricto sensu, como ação afirmativa compensatória e garantidora da multiculturalidade na produção do saber.

Palavras-chave: Elites. Poder. Ação Afirmativa. Cotas Raciais. Pós-Graduação. Stricto Sensu.

Abstract

With an historical and analytic focus, this paper aims to make observations about the construction and maintenance of elites and their structure of power, using bibliographical research and statistics,mainly regarding the white elite class in the scientific field before the minimal presence of blacks in the academic environment and the visible relationship of this aspect with the principles of legitimation and reproduction in the control of the power, besides aims to show the necessity of the effective institutionalization of the racial quotas in the sensu stricto graduate programs, as affirmative compensatory action and guarantor of the multiculturalism in the knowledge production.

Keywords: Elites. Power. Affirmative Action. Racial Quotas. Stricto Sensu Graduate Programs

Biografia do Autor

Ana Carolina Esposito Vieito, Universidade Presbiteriana Mackenzie. SP, Brasil.

Mestranda em Direito Político e Econômico na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Graduada em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Advogada.

Danielle Duarte Munhoz, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Político e Econômico SP, Brasil.

Mestranda em Direito Político e Econômico na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Especialista em Direito Penal e Processual Penal pela PUC-SP e Direito Público pelo Damásio. Graduada em Direito pela FAAP - SP. Analista do MPSP.

Gianfranco Faggin Mastro Andréa, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Político e Econômico SP, Brasil.

Mestrando em Direito Político e Econômico na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Especialista em Direito Público pela Faculdade Damásio de Jesus. Graduado em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Analista do Ministério Público da União.

Referências

BERNARDINO, J. Ações afirmativas: respostas às questões mais

frequentes. O Público e o Privado, n.3, p.88-98, 2004.

BERTOLIN, P.T.M.; BENEDITO, A. Ações afirmativas. In:

SMANIO, G.P.; BERTOLIN, P.T.M. O Direito e as Políticas

Públicas no Brasil. São Paulo: Atlas, 2013.

BRANCO, G.C. Racismo, individualismo, biopoder. Rev.

Filosofia, v.21, n.28, p.29-38, 2009.

BRASIL. Fundação Palmares. Disponível em:

palmares.gov.br/?p=25817>.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Disponível

em: <http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.

jsp?docTP=TP&docID=6984693>.

BRASIL. IBGE - Instituto Brasileiro de Pesquisa e

Estatística. Síntese dos Indicadores sociais de 2014: uma

análise das condições de vida da população brasileira.

Estudos e Pesquisas nº 34. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.

gov.br/visualizacao/livros/liv91983.pdf>.

BRASIL. SEPPIR - Secretaria de Políticas de Promoção da

Igualdade Racial. 2013. Disponível em: <http://www.seppir.gov.

br/assuntos/educacao>.

BUCCI, M.P.D.; MELLO, P.B. Democratização e acesso à

educação superior – Parte II. Grupo Estratégico de Análise da

Educação Superior no Brasil – GEA. Rio de Janeiro: Flacso

Brasil, 2013.

CARVALHO, J.m. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de

Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

DWORKIN, R. Levando os direitos a sério. São Paulo: Martins

Fontes, 2002.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de

France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal,

HABERMAS, J. O conceito de poder de Hannah Arendt. In: FREITAG, B.; ROUANET, P.S. Habermas. São Paulo, Ática,

HENRIQUES, R Desigualdade racial no Brasil: evolução das

condições de vida na década de 90. Brasília: IPEA, 2001.

MOLINA, S.C. Raça como categoria de análise, o Estado

brasileiro e as Políticas Públicas para a promoção da igualdade

racial. In: SMANIO, G.P.; BERTOLIN, P.T.M.; BRASIL, P.C. O

Direito na Fronteira das Políticas Públicas. São Paulo: Páginas

& Letras, 2015.

MOLINA, S.C. Raça, direito e políticas públicas para a promoção

da igualdade racial no Brasil: alguns apontamentos. In: SMANIO,

G.P.; BERTOLIN, P.T.M. O Direito e as Políticas Públicas no

Brasil. São Paulo, Atlas, 2013

QUEIROZ, D.M.; SANTOS, J.T. Sistema de cotas: um debate.

Dos dados à manutenção de privilégios e de poder. Educ. Soc.,

v.27, n.96, p.717-737, 2006.

RAWLS, J. Uma teoria da justiça. São Paulo: Martins Fontes,

ROSEMBERG, F. Ação afirmativa no Ensino Superior brasileiro:

pontos para reflexão. I2009. Disponível em:

acoesafirmativas.ufcscar.br>.

WEDDERBURN, C.M. Racismo e sociedade: novas bases

epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza,

ZAMORA, M.H.R.N. Desigualdade racial, racismo e seus

efeitos. Fractal, Rev. Psicol., v.24, n.3, p.563-578, 2012.

Downloads

Publicado

2018-08-08

Edição

Seção

Artigos