Análise do Modelo ECD na Indústria de Oficinas Mecânicas em Foz do Iguaçu

Autores

  • Fabiane Cortez Verdu Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração. PR, Brasil.
  • Fabio Aurélio de Mario Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração. PR, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17921/2448-2129.2018v19n2p124-131

Resumo

O objetivo deste artigo é caracterizar a conduta estratégica das oficinas mecânicas, dado o contexto de estrutura de mercado em que estão inseridas sob a ótica do Paradigma Estrutura-Conduta-Desempenho (ECD). Para tanto, a metodologia empregada foi qualitativa, por meio de estudo de caso e o método de coleta ocorreu por entrevista com roteiro semiestruturado com um proprietário de uma firma em Foz do Iguaçu. Os resultados demonstram que, na percepção do proprietário da firma, existe uma competição no segmento, em alguns casos esta competição chega a ser desleal com as demais firmas do setor, uma vez que os incentivos do governo, praticamente, são nulos, enquanto que suas ações como redução de impostos e incentivos são prejudiciais às firmas do setor, pois possibilitam a troca de veículos de forma mais fácil ao consumidor, diminuindo a demanda das oficinas mecânicas. A mudança tecnológica dos componentes dos veículos também afeta a estrutura de mercado e, assim, exige com que as firmas se atualizem, comprometendo consequentemente o desempenho de oficinas, especialmente, das menores.

 

Palavras-chave:Organização Industrial. Paradigma ECD. Estrutura de Mercado. Estratégias. Oficinas.

Abstract

The purpose of this article is to characterize the strategic conduct of garages, given the market structure of the context in which they operate from the perspective of Paradigm Structure-Conduct-Performance (SCP). Therefore, the methodology used was qualitative, through case study and the collection method occurred with semi-structured interview script with an owner of a firm in Foz do Iguaçu. The results show that under the perception of the firm's owner, there is competition in the segment, in some cases even being unfair to other firms in the sector; government incentives, are practically void, while their actions as tax cuts and incentives are harmful to firms in the sector, as they allow the exchange of easier consumer form of vehicles, reducing the demand for garages. Technological change of vehicle components also affects the market structure and thus influences how firms also update thus compromising the firm’s  performance, especially the smallest  ones.

 

Keywords: Industrial Organization. Paradigm SCP. Market Structure. Strategies. Garages.

Referências

ANSOFF, H. I. A Estratégia empresarial. São Paulo: McGraw Hill, 1977.

BAIN, J.S. Relation of profit rate to industry concentration: American manufacturing, 1936-1940”. Quartely J. Economics, p.293-324, 1951.

BARNEY, J.B; HESTERLY, WS. Administração estratégica e vantagem competitiva: casos brasileiros. São Paulo: Pearson, 2007.

BROWN, J. H. Structure-conduct-performance: a comment on blaug’s “is competition such a good thing? Static efficiency versus dynamic efficiency”. Review Ind. Org., v.21, p.103-105, 2002.

BULGACOV, S. et al. Administração estratégica: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2007.

CARVALHO JUNIOR, N.S. Lucratividade e desempenho industrial: uma apreciação Empírica de duas abordagens teóricas. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

CERVO, L.A.; BERVIAN, P.A.; SILVA, R. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2010.

CERTO, S.C. et al. Administração estratégica: planejamento e implementação de estratégias. São Paulo: Pearson, 2009.

COSTA, F.; GARCIA, P.M.; Concentração de mercado e desempenho das indústrias brasileiras de papel e celulose - recorrendo à modelagem de Fleuriet para analisar o paradigma ECD. RCO, v.3, n.6, p.143-163, 2009.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. São Paulo: Artmed, 2010.

FOLHA Oficinas Mecânicas criam filiais e aumentam o número de empregados <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1159824-oficinas-mecanicas-criam-filiais-e-aumentam-numero-de-empregados.shtml> acesso em: 30 jun. 2018.

GONZÁLEZ-FIDALGO, E.; VENTURA-VICTORIA, J. How much do strategic groups matter?, Rev Ind. Org., v.21, p.55-71, 2002.

LIMA, M. C. Monografia: a engenharia da produção acadêmica. São Paulo: Saraiva, 2004.

LIPCZYNSKI, J.; WILSON, J. The economics of business strategy. Prentice Hall: 2004.

LIPCZYNSKI, J.; WILSON, J.; GODDARD, J. Industrial organization: competition, strategy, policy. Prentice Hall: 2005.

LOPES, H.C. O Setor calçadista do Vale dos Sinos/RS: um estudo a partir do modelo estrutura-conduta-desempenho. Revista de Economia, 2014.

MINTZBERG, H. O processo da estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MULLER, D. C.; RAUNIG, B. Heterogeneities within industries and structure-performance models, Rev Ind. Org., v.15, p.303-320, 1999.

NEVES, J.F. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração. São Paulo: FEA-USP, 1996.

PANAGIOTOU, G. The impact of managerial cognitions on the structure-conduct-performance (SCP) paradigm. Management Decision, v.44 n.3 p.423-441, 2006.

PORTER, M.E. How competitive forces shape strategy. Harvard Business Review, v.57, n.2, p.137-145, 1979.

PORTER, M.E. A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PORTER, M.E. What is strategy? Harvard Business Review, p. 61-78, 1996.

PRAHALAD, C.K.; HAMEL, G.A. Competência essencial da corporação. In: MONTGOMERY, C.A.; PORTER, M.E. (Org.) Estratégia: a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

ROESCH, S.M.A. Projetos de estágio do curso de Administração. São Paulo: Atlas, 2006.

SCHERER, F, M.; ROSS, D. Industrial market structure and economic performance. Boston: Hougthon Mifflin Company, 1990.

SCHMALENSEE, R. Industrial economics: an overview. Economic J., v.98, p.643-681, 1988.

SEBRAE. Setor de oficinas mecânicas. 2017. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/setor/metal-mecanica/acesse/biblioteca/NT0012.pdf> acesso em 30 jun. 2018.

SHEN, T.Y. Handbook of industrial organization: a review. Rev Ind. Organiz., p.301-311, 1991.

SILVA, J. F.; MOTTA, P. C.; COSTA, L. S. V. Coalinhamento entre estratégias competitivas e colaborativas e desempenho de empresas, ERA, v.47, n.4, p.26-45, 2007.

TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WHITE, S.; LIU, X. Transition trajectories for market structure and firm strategy in China. J. Management Studies, v.38, n. 1, p. 103-124. 2001.

YIN, K. R. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Downloads

Publicado

2018-12-30

Edição

Seção

Artigos