Elite e Vontade Popular: a Democracia é Somente para os Representantes?

Autores

  • Fernando Campos

DOI:

https://doi.org/10.17921/2448-2129.2016v17n1p18-23

Resumo

Voltando a atenção à Reforma Política, critica-se, neste artigo, a concepção de uma inevitabilidade oligárquica na política. Para uma vertente da teoria política, a representação é o máximo que a participação democrática pode atingir. Tal vertente defende que política é uma atividade para especialistas, limitando, assim, uma possível atuação proveitosa da participação popular. Concorda-se com a complexidade dos assuntos envolvidos na administração do Estado Moderno, porém, discorda-se dessa cisão entre representante e representado. Defende-se que, por outros meios, é possível promover um aprofundamento da ligação entre eleitores e eleitos.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Edição

Seção

Artigos